Posts

Diploma de qualquer coisa

Tudo que a universidade pode te dar é um pedaço de papel

Os brasileiros atualmente vivem na “geração do diploma”, na qual todos se veem dependentes de um diploma de ensino superior para conquistarem um bom espaço no mercado de trabalho.

No entanto eu tenho-lhes uma má notícia: Tudo que a universidade pode te dar é um papel que atesta que você frequentou um lugar por um tempo determinado com um objetivo específico.

Você está dizendo então que a universidade não é importante? Sim, estou. Calma que eu te explico o motivo, primeiramente gostaria que você se respondesse algumas perguntas para verificar um pouco sobre seus pensamentos e se seu caso é diferente.

Você é universitário? Caso sim, responda as seguintes perguntas para si mesmo. Caso não seja pode responder também, no entanto você entenderá mais durante este artigo sobre estas perguntas.

  • Você acredita que no 5º semestre seria capaz de fazer todas as provas do 1º semestre sem estudar novamente a matéria e tirar nota suficiente para passar?
  • Pra você qual o peso do diploma para o mercado de trabalho?
  • O que você considera mais importante para conseguir um bom emprego?

(Se quiser responder nos comentários também seria legal para ver se mais pessoas pensam/pensavam da mesma forma).

Certo, por meio das perguntas imagino que você deva entender aonde eu quero chegar…

Então vamos dividir por tópicos para facilitar que você entenda porque o diploma é apenas um pedaço de papel mesmo, primeiro começaremos por meio da primeira pergunta que você que é universitário respondeu…

O Conhecimento adquirido no ensino superior

Sala de Aula

Primeiramente é importante saber que em todos os cursos existem áreas diversas de trabalho e especializações, por esse motivo você consegue já visualizar que você precisará continuar estudando mesmo após receber o tão sonhado canudo.

Dito isso quero que você reflita sobre o conhecimento que você adquiriu até o momento e responda para si, você consegue lembrar o que aprendeu no ano passado o suficiente para dar uma aula a respeito?

Creio que a resposta seja não, e isso é super natural, tendo em vista que nosso cérebro é inteligente e privilegia as informações que serão utilizadas por mais vezes, por exemplo, se você aprendeu no ano passado como dirigir, você treinou para algo que você só pode esquecer caso deixe de praticar, no entanto foi um treinamento aprofundado que requer prática para a memorização.

Em outro post eu falarei sobre os níveis do aprendizado e você entenderá melhor o porquê disso acontecer.

No entanto, voltamos ao aprendizado universitário, normalmente nós aprendemos algo com o intuito de passar na prova daquela matéria e seguir em frente no curso, assim sendo na psicologia comportamental diria que você está tendo um reforço negativo, ou seja, você está estudando para evitar um estímulo aversivo, a dependência/reprovação.

Mas algumas coisas nós aprendemos desejando utilizar em nossa profissão essas são as matérias com as quais você se identifica e normalmente se lembrará por mais tempo, por conta do empenho e treino ser maior para elas, ou a dificuldade agregada ser menor.

Por isso temos a tendência de lembrar certos conceitos chaves das matérias mesmo que não lembremos sua totalidade.

No entanto tem um pequeno problema nisso tudo, na grande maioria a abordagem que você recebe dos conteúdos em sala de aula é feita de forma teórica, assim sendo você conhece sobre a teoria do assunto abordado, mas a parte prática do mesmo muitas vezes não é realizada naquele momento.

Em alguns casos a parte prática das matérias é abordada em estágios obrigatórios durante a graduação, no entanto de forma superficial necessitando de um aprofundamento, e por conta do estágio não ser feito em conjunto com a parte teórica abordada você terá que reaprender algumas coisas para executar com habilidade.

Dito tudo isso anteriormente acredito que você já tenha começado a perceber que o aprendizado de sala de aula pode e deve ser adquirido por você mesmo em casa ou em qualquer lugar.

Certo então concorda comigo que o aprendizado adquirido no nível superior poderia ser muito bem obtido por meio de vídeos sobre o conteúdo que você encontra pela internet (que talvez até seja seu modo de estudar pra prova), ou por meio das leituras indicadas sobre o assunto…

Assim sendo a universidade é apenas um espaço pra que você descubra o que deve ser estudado e que alguém seja um facilitador do seu aprendizado, no entanto o conhecimento mesmo só é obtido se você busca-lo além das paredes das salas de aula.

Agora que falamos um pouco sobre o conhecimento, vamos partir para outro ponto…

O peso do diploma no mercado de trabalho

Pilha de Diplomas

Certo, vimos anteriormente que o aprendizado pode ser adquirido de outras formas além da clássica sala de aula, agora veremos quanto vale esse tempo que você está dentro da sala aprendendo coisas novas ou revendo coisas que já conhecia.

Para iniciar gostaria de te falar que o mercado assim como eu critica a “Geração do Diploma”, desde 2013 consultores, especialistas e organizações empresariais revelam suas insatisfações com este ponto.

O motivo é bem simples em diversas seleções realizadas as empresas não encontra mão-de-obra qualificada para preencher diversas áreas, por conta das pessoas que pensam que diploma significa capacidade técnica.

Muitas vezes empresas acabam por contratar um profissional e ter um gasto superior em capacita-lo para a função que o mesmo exercerá, porque a universidade não fez o trabalho de deixa-lo apto para exercer tal atividade.

É comum que em diversas áreas há escassez de mão-de-obra especializada, no entanto quando é divulgado isso em meio à mídia tradicional é feito com as seguintes manchetes: “Sobram vagas na área X, afirma fulano de tal”, ou “Processo seletivo com 5 mil vagas na área tal é aberto por Empresa Y”, temos também a famosa manchete “Os X profissionais que estão em falta no Brasil”.

E por meio dessas manchetes levam pessoas indecisas a buscarem profissionalizar-se nesta área para que não fique sem emprego, já que está em falta no mercado de trabalho.

No entanto acontece uma coisa interessante, muitas pessoas pensam da mesma forma e saturam o mercado com pessoas que por diversas vezes não estão capacitadas para ocuparem os cargos que possuem procura, desta forma o mercado acaba reagindo com a diminuição no salário para contratar um profissional já que há um número grande de ofertas de mão-de-obra e na maioria não capacitada adequadamente ou a reação inversa aumento no salário para contratar um profissional realmente capacitado que venha a dispensar os gastos adicionais com treinamentos.

Sabendo disso voltamos à questão do valor do diploma no mercado. A verdade é que se não houvesse restrições impostas por Conselhos Profissionais muitos cargos seriam ocupados por pessoas que não possuem qualquer diploma, isso pelo custo da mão-de-obra e muitas vezes pela especificidade do serviço necessário que muitas vezes abrange um conteúdo que pode ser aprendido em no máximo um ano, mas se gasta 4 ou 5 para a pessoas absorver outras coisas que não utilizará. Semelhanças com o ensino fundamental e médio?

Vamos entender melhor então sobre o valor do diploma, a menos que sua profissão seja regulada e só possa ser exercida por profissional com diploma de ensino superior o seu diploma não vale absolutamente nada. E isso é ótimo, sabe por quê? Simples, imagina que a profissão não seja regulada e não necessite do diploma, uma vez que você adquira o conhecimento necessário para exercê-la você poderá atuar, sem necessitar esperar o final do curso, etc.

Ok, vamos para o caso da profissão regulada que só pode ser exercida por profissional com diploma de ensino superior. Como a profissão exige que seja um profissional diplomado, o seu “pedaço de papel” continua sem valor dentro dos pares, ou seja, em relação a outros profissionais formados ele não vale nada. Ele só valerá quando comparado à outra pessoa que não possua o diploma, sendo assim a barreira que fará você ser destacado.

No entanto vamos fazer uma comparação simples, consideramos a carteira de habilitação para direção de veículos para fins de comparação com a diplomação, existem pessoas que passam na mesma prova que outras, às vezes com notas ou considerações práticas melhores, no entanto no exercício prático da direção veicular é um perigo no trânsito.

Assim concluímos que duas pessoas podem obter o mesmo titulo no caso do exemplo motorista de carro, e possuírem habilidades diferentes.

Essas habilidades podem estar relacionadas à própria personalidade da pessoa como, por exemplo, uma pessoa mais calma pode estar mais propensa a não provocar acidentes após um dia estressante por falta de atenção, enquanto uma pessoa mais estressada diante de um dia muito estressante pode por desatenção estar mais propensa a cometer um acidente.

Nisso avaliamos que são pessoas com o mesmo “pedaço de papel” que lhes garantem que obtiveram determinado conhecimento e foram aprovadas nas avaliações realizadas, no entanto essas avaliações eram dos conteúdos específicos, ah, mas elas fizeram o exame psicotécnico também, ambas aprovadas, porém ainda assim possuem diferenças.

Voltando para o contexto do ensino superior as pessoas passam por avaliações iguais ou semelhantes para garantirem seu diploma, no entanto muitas vezes o que o mercado de trabalho precisa não é aquilo que está nesses testes e provas aplicados.

Ou até mesmo bem mais aprofundado do que aquilo que foi abordado em sala de aula, assim necessitando do interesse do próprio aluno.

Mas vamos considerar uma última situação para mensurarmos o valor do diploma, quando está disputando por uma vaga em que a qualificação técnica não necessita de um nível superior e os demais candidatos não possuem o diploma,

Neste caso o recrutador normalmente olhará o seu diploma como um sinal de experiência, quando sua formação for relacionada a alguma das áreas da empresa poderá ser bom, no entanto há um perigo envolvido, se o recrutador for “conservador” ele possivelmente terá medo de que você possa querer tomar cargos superiores e gerar instabilidade no quadro de funcionários atual.

Já no caso de um recrutador que se permite ousar sem ter medo da instabilidade gerada ele poderá contrata-lo caso apresente as mesmas características que os demais quando relacionada à vaga disputada.

No entanto se alguma característica relacionada for superior em um candidato que só tenha o nível médio ele também não terá medo em ousar contratar o outro candidato.

Assim sendo vemos que no mercado de trabalho o importante é estar de acordo com as características desejadas pela empresa, ou possuir as habilidades técnicas desejadas para o cargo, o diploma será um acessório nesses casos.

Para finalizar vamos falar um pouquinho sobre as coisas importantes para conseguir um bom emprego…

Como conquistarei um bom emprego?

Executivo

Como o ponto principal para aqueles que cursam um nível superior é conquistar um bom emprego, aproveitaremos para falar aqui como fazer o seu pedaço de papel ser um pouco mais interessante que os demais.

Como salientei durante o artigo é importante obter experiência prática para conquistar uma boa posição no mercado de trabalho, ok, mas você deve estar se perguntando: “Mas não é conquistando um bom emprego que terei uma boa experiência prática?” e nesta hora eu te digo que: Sim, é conseguindo um bom emprego e/ou mil outras formas.

A velha incógnita surge você precisa de experiência para conseguir um emprego e não tem experiência por não consegui-lo.

Neste momento você pode pensar em algumas opções que lhe acrescentarão no seu currículo, tornando sua passagem pela universidade algo mais interessante, por exemplo:

  • Projeto de iniciação científica;
  • Empresa júnior;
  • Junior Achievement;
  • Intercâmbios;
  • Estágios não remunerados;
  • Programas trainees;
  • Organizações sem fins lucrativos.

Enfim após diversas opções que te dei, acredito que você já deva estar pensando que você pode ter muito mais no seu currículo do que um simples: Ensino Superior em X Concluído.

Todos os exemplos citados anteriormente são oportunidades que te trarão um bom conhecimento prático e também uma experiência profissional que acrescentará grandemente em seu currículo.

No entanto estágios muitas vezes não te darão uma experiência que te permitirá executar mais do que ordens dos superiores, enquanto as outras opções normalmente te oferecerá uma bagagem profissional com maior.

Para saber mais sobre cada uma dessas opções deixe suas dúvidas nos comentários que lhe passo mais informações.

Sabendo de como acrescentar na sua bagagem uma boa experiência e coisas que venham valorizar o pedaço de papel que receberá, agora você precisará se preparar para os processos seletivos que enfrentará, mas este conteúdo seria muito grande para abordar aqui, quem sabe você possa encontra-lo por aqui em breve…

Apenas para complementar tudo isso você pode ver essa matéria da Exame que fala sobre uma pesquisa que corrobora com a forma de pensar deste artigo.

Abraços,

Washington Coutinho

O que é Empresa Júnior?

O que é uma Empresa Júnior?

Você está na graduação (ensino superior) atualmente?
Se sim, pode ser uma oportunidade para que você conheça mais de perto uma empresa júnior, participando deste movimento.

Mas você pode estar se perguntando: por que apenas se estiver na graduação posso ter essa oportunidade?

Eu explico, Empresa Júnior é basicamente uma empresa criada dentro de uma universidade com o intuito de trazer vivencia pratica dos conteúdos teóricos abordados em sala de aula para os alunos.

Assim sendo a missão das EJs normalmente estão relacionadas a contribuir com a formação dos participantes, isso ocorre desde a fundação da primeira Empresa Júnior do mundo que foi criada em 1967 na Escola Superior de Ciências Econômicas e Comerciais de Paris (L’Ecole Supérieure des Sciences Economiques et Commerciales) na França, que se originou buscando complementar os conhecimentos do universitário por meio da realidade empresarial.

Após o surgimento do “Movimento Empresa Júnior” logo em 1969 haviam mais de 20 Empresas Juniores na Europa.

Iniciando assim um movimento com um crescimento maior a cada ano, porém como no Brasil há uma demora da absorção de práticas de atividades desenvolvidas mundialmente somente em 1987 o conceito veio chegar ao Brasil e em 1988 foi criada a primeira EJ Brasileira, a Junior GV, formada por alunos dos cursos de Administração, Direito e Economia da FGV-SP, que mantem-se em atividade até os dias atuais.

Após a criação desta pioneira muitas outras EJs foram criadas e com isso também confederações regionais, nacionais, etc.

Em 1993 foi realizado o primeiro Encontro Nacional de Empresas Juniores (ENEJ) que continua a ser realizado anualmente por meio da Brasil Júnior e das Federações Estaduais e Distritais.

Normalmente as Empresas Juniores prestam consultoria para micro e pequenas empresas primeiramente, no entanto podendo ter um publico diferenciado deste de acordo com suas atividades e experiência no mercado.

Certo e como eu entro nisso?

Isso e outros detalhes você pode acompanhar por meio deste vídeo, ou lendo abaixo sobre como foi este processo.

Logo que iniciei a Universidade soube que existia uma Empresa Júnior, a qual não fazia a mínima ideia do que era, no entanto como sempre fui curioso sobre empreendedorismo e também participei de uma Empresa composta por alunos durante o ensino médio, a MakeWay Produção de Eventos, então acreditei que seria algo semelhante e fui procurar saber mais a respeito, logo conheci a JUNIP Brasília após ver um cartaz sobre o processo seletivo, no entanto não consegui seguir com a ideia em frente dada as ocupações.

Porém logo no segundo semestre vi novamente a divulgação do processo seletivo e enfim entrei, sendo aprovado.

Posteriormente iniciou o programa trainee e passei a gostar cada vez mais da prática que desempenhava na Junip.

Sendo aprovado no programa trainee tornei-me Consultor de Recursos Humanos dadas as experiências que possuo com os procedimentos de Seleção de Pessoas, etc.

No entanto após realização de um processo seletivo e parte do programa trainee, acabei mudando de área, passando para o cargo de Consultor de Marketing, dada minha atuação prestando consultorias na área do Marketing Digital, cargo no qual mantenho até os dias atuais.

No entanto recentemente fui escolhido como o próximo Presidente da JUNIP, cargo o qual assumirei ao término deste semestre (2016/2).

Assim sendo atualmente atuo em cogestão juntamente com a atual diretoria executiva, acompanhando os projetos realizados e as práticas para que quando assumir o cargo possa dar prosseguimento as atividades já realizadas.

Enfim espero que tenha conhecido um pouco sobre o Movimento Empresa Júnior e sobre a JUNIP Brasília.

Aproveite que atualmente somos líderes mundiais em número de EJs e conheça uma para que possa participar, se ainda não tiver uma EJ na sua Universidade, seja você o criador dessa iniciativa e contará com o apoio da Federação do seu Estado e da Brasil Júnior para desenvolver este projeto.

 

Abraços, Washington Coutinho

Os vídeos no Canal Washington Coutinho voltaram.

Volta do canal do Youtube

No segundo semestre de 2015 criei o canal no Youtube para divulgação de conteúdos interessantes e compartilhamento de conhecimentos, assim como a Página no Facebook, no entanto surgiram diversas atividades para serem desempenhadas no primeiro semestre de 2016 que tive que abrir mão por um período das gravações, edições e postagens para me empenhar nas demais atividades. Sei que isso talvez pareça uma desculpa, então vamos falar um pouco sobre em que estive ocupado…

Para aqueles que tiverem meio com preguiça de ler tudo abaixo veja o vídeo a seguir, que explico o que aconteceu e as novidades, mas indico a leitura para entender melhor sobre cada ponto.

[video_player type=”youtube” width=”460″ height=”259″ align=”center” margin_top=”0″ margin_bottom=”20″]aHR0cHM6Ly93d3cueW91dHViZS5jb20vd2F0Y2g/dj1FV0ZpRkIyR0xrdw==[/video_player]

Durante este semestre fui Coordenador Estadual do Estudantes Pela Liberdade estando a frente de 27 Coordenadores Locais, auxiliando-os na criação e no desempenho de suas atividades, projetos, etc, assim sendo tive que demandar tempo para que honrasse essa responsabilidade, além disso como Coord. Estadual organizei uma Conferência Estadual, na qual também fui apresentador da mesma, além de estar envolvidos nos demais eventos e grupos de estudos que tiveram reuniões aqui no Distrito Federal.

Em decorrência disso fui também convidado para palestrar na Conferência Estadual dos Estudantes Pela Liberdade em Goiás, na qual palestrei com o tema “Uber x Táxi – Proibição ou Legalização?”, levando um pouco das minhas experiências e conhecimentos sobre este assunto fundamental para mais de 200 participantes que possuíam o interesse sobre o tema. Uma experiência fantástica com um público bem informado sobre o debate presente neste assunto que precisa de pressão nas discussões para avanço das ideias que podem ajudar diversas pessoas.

Além disso, estive bastante empenhado com consultorias, pois atualmente atuo com Marketing Digital e esta área precisa de uma atenção presente nas atividades para que nada saia fora dos trilhos, para isso também foi necessário que me empenhasse na busca de conhecimentos para melhor atender os clientes, assim fazendo alguns cursos sobre os assuntos relacionados, tais como: lançamentos digitais, E-mail marketing, Facebook marketing, Youtube marketing, Inbound, dentre outros diversos cursos relacionados a este também tive que dar um enfoque no aumento de produtividade, para isso estive pesquisando e aprendendo bastante sobre a área.

Como consultor também estive presente na elaboração de sites, áreas de membros, conteúdos, campanhas de e-mail marketing, segurança web, hospedagem de site, criação de página de Facebook, campanhas de anúncios em Facebook Ads e Google Adwords, SEO, dentre outras atividades as quais possuo experiência e conhecimento.

E também tive que demandar atenção para as atividades da Empresa Júnior da qual participo, a JUNIP Brasília, que está passando por uma grande transformação, assim no início do semestre auxiliando na elaboração, avaliação e execução do processo seletivo e também do programa trainee, no qual acompanhei os trainees também nas atividades durante os ciclos, solucionando dúvidas para que os mesmos se desenvolvessem tornando-os ótimos consultores. Além destas atividades também realizamos projeto de consultoria voltada para a área de Marketing, trabalhando com reformulação de mídias sociais e assuntos relacionados a qual estive gerenciando o projeto dada a experiência por já atuar na área. Assim sendo do cargo como consultor de recursos humanos, passei para consultor de marketing… Essas foram tarefas principais, além de diversas outras que foram solucionadas no decorrer do semestre.

Sem falar nas atividades da Universidade que também se intensificaram, mas costumo levar numa boa estas…

Dada à explicação do que andei fazendo quando sumi, aqui estou de volta para compartilhar mais conhecimentos e aprendizados, agora além do canal do Youtube e da página no Facebook teremos também o site com artigos especiais para disseminar ainda mais conteúdos e informações. Com a volta do canal estou estabelecendo para colocar vídeos semanais, ainda precisarei verificar como organizarei melhor para definir um dia especifico para trazer vídeos novos, para isso vou fazendo experiências para ver o melhor dia e horário…

Assim sendo aceito sugestões sobre temas, conteúdos e informações que desejarem ver no site, em vídeos e etc.

Agradeço a quem acompanhou até aqui, grande abraço e até mais.