Gatilhos Mentais

Você sabe o que são “Gatilhos Mentais”?

Já ouviu falar em gatilhos mentais? Sabe como funciona? Sabe como funciona o “modo automático” do nosso cérebro?

Bem, provavelmente já tenha ouvido falar, mas o que é? São palavras ou ações que estimulam uma reação, utiliza como na Psicologia Behaviorista afirma que as ações são decorrentes do ambiente os quais há um estimulo ambiental e isso gera uma resposta, assim é tratado os “gatilhos mentais” são utilizados para obter uma resposta desejada.

Porque isso acontece? Por conta da forma de trabalhar do cérebro humano que transforma ações em automáticas para que possamos faze-las mais rápido, por exemplo você não pensa o que fará quando vai abrir a porta, não pensa no jeito que pegará na maçaneta e virar, pois é uma ação automática, uma forma para que possamos tomar decisões rápidas.

São considerados como técnicas de persuasão. Os gatilhos mentais são bastante utilizados atualmente, por exemplo quem nunca ouviu um “é só até hoje” ou “esse é o último no estoque” e normalmente tais frases convertem um alto número de vendas.

Isso acontece pois segundo estudo realizado pela AAAS (AMERICAN ASSOCIATION FOR THE ADVANCEMENT OF SCIENCE) o ato de escolha consiste primeiramente na decisão inconsciente, após isso é passado para a consciência dando a impressão de tomada de decisão racional e por fim é realizada a ação de acordo com o que foi decidido anteriormente. Como dito anteriormente no exemplo de abrir a porta, é uma decisão inconsciente inicialmente pela necessidade de entrar ou sair em um local que passa para a consciência assim você “pensa que deverá abrir a porta para entrar ou sair do local”, assim você realiza a ação, sem pensar nos modos exatos, os músculos que devem mexer e etc.

Assim existem diversos tipos de gatilhos que despertam ações, alguns exemplos:

  • Porque: É utilizado este gatilho para informar ao cérebro que é algo importante pois tem uma explicação lógica para ser realizado. Ex: Em uma fila de copiadora é dito ao primeiro “Posso passar na sua frente para tirar cópias, porque eu estou muito atrasado para entrega-las?”. Tal gatilho gera empatia e uma forma de explicação racional, ou seja dá uma razão para que seja realizada.
  • Histórias: Nos fomos treinados por anos a ouvi-las, nada causa mais engajamento que uma boa história, assim quando você conta a pessoa se prende ao assunto e estará mais propensa a realizar uma ação próxima a narrada pela história pelo efeito do espelhamento. Este é um gatilho muito poderoso para influenciar as pessoas. Ex: Você vai comprar um sapato e o vendedor conta que aquele não é um sapato qualquer que tem uma história interessante da fabricação dele e conta brevemente para você, provavelmente o interesse que você terá no mesmo será maior, como prova disto são produtos ecológicos nos quais muitas pessoas compram pela sua história, não pelo produto.
  • Prova social: Pessoas olham as outras pessoas para obterem pistas de como agir, se você poder mostrar a elas que não estão sozinhas, então você vence. Por exemplo se você está em uma cidade na qual possui 2 restaurantes um em frente a outro e você não conhece ambos e vê em um deles um número maior de pessoas e no outro quase vazio, automaticamente você pensará que o restaurante mais cheio possui uma comida melhor ou algum atrativo pelo número de pessoas no interior.
  • Escassez: Quando há menos de alguma coisa, as pessoas vão inerentemente querer mais, quando há prova social normalmente mostra que há escassez. Como no exemplo que citei anteriormente da “última peça” gera um sentimento de perda se não adquiri-la, motivando ainda mais a pessoa para a compra, se você sabe que só existe mais aquele último modelo, provavelmente pesará muito mais a decisão para que adquiri ou poderá perder a oportunidade.

Enfim são diversos, no entanto explica-los em um paragrafo é uma tarefa complicada, portanto se te interessou o assunto, comenta aqui embaixo o que você achou e se desejarem aprender mais eu posso fazer um novo post para falar sobre esse assunto.

Não esqueça de compartilhar com aqueles que possam interessar no assunto, curtir…

Abraço,

Washington Coutinho